Menu fechado

Assunção de Nossa Senhora

Olá amigos, neste domingo celebraremos um dos mais belos fatos corridos na vida de Nossa Senhora, a assunção aos céus, o recolhimento da mãe de nosso Salvador para a morada eterna. Este dogma de fé, se torna parte de nossa verdade doutrinal, pois tem tudo a ver com o mistério da nossa salvação.

Esta definição ocorreu por parte do Papa Pio XII, em 1950, através da Constituição Apostólica Munificentissimus Deus: “A Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre foi assunta em corpo e alma à glória celestial”.

Anteriormente essa celebração se chamava “Dormição”, porque foi sonho de amor. Até que chegou ao de “Assunção de Nossa Senhora ao Céu”, isso significa que o Senhor reconheceu e recompensou com antecipada glorificação todos os méritos da Mãe, principalmente alcançados em meio às aceitações e oferecimentos das dores.

Nossa Senhora tinha por volta de 50 anos quando Jesus subiu ao Céu. Tinha sofrido todas as pressões possíveis durante sua vida terrena como: as dúvidas do seu esposo, o abandono e pobreza de Belém, o desterro do Egito, a perda prematura do Filho, a separação no princípio do ministério público de Jesus, o ódio e perseguição das autoridades, a Paixão, o Calvário, a morte do Filho.

É probabilíssima, e hoje bastante comum, a crença de a Santíssima Virgem ter morrido antes que se realizasse a dispersão dos Apóstolos e a perseguição de Herodes Agripa, no ano 42 ou 44. Teria então uns 60 anos de idade. A tradição antiga, tanto escrita como arqueológica, localiza a sua morte no Monte Sião, na mesma casa em que seu Filho celebrou os mistérios da Eucaristia e, em seguida, tinha descido o Espírito Santo sobre os Apóstolos.

Não subiu ao Céu, como fez Jesus, com a sua própria virtude e poder, mas foi erguida por graça e privilégio, que Deus lhe concedeu como a Virgem antes do parto, no parto e depois do parto, como a Mãe de Deus.

Alex Gomilva

Talvez você também se interesse por...